ABIH RN: Hotelaria vai pisar no freio em 2022

O segmento hoteleiro do Rio Grande do Norte deve “puxar o freio” no tocante a abertura de leitos para 2022. Mesmo com a retomada das atividades turísticas, o setor ainda busca se recuperar do período em que passou fechado por conta da pandemia de coronavírus e, com isso, não estão previstos grandes investimentos para este ano. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-RN), as estimativas iniciais são de  crescimento de leitos de 5% a 10% em Natal.

Segundo o presidente da ABIH-RN, Abdon Gosson, Natal, Pipa e São Miguel do Gostoso, juntos, somam cerca de 55 mil leitos. De acordo com Gosson, muitos projetos de expansão pararam por conta da pandemia.
“Alguns vão ser retomados esse ano, outros vão esperar ver como a economia do setor vai se comportar. Existem vários projetos em nível de Natal, Pipa e Gostoso, principalmente esses dois últimos, porque Natal tem grande oferta de leitos. Já Pipa  e Gostoso é um mercado ainda em expansão”, cita.

 
“Se a economia melhorar e o mercado se manter aquecido, com certeza esses projetos chegarão mais rápido nos nossos destinos”, acrescenta.


“A tendência de 2022 é do mercado de turismo continuar aquecido, inclusive nos períodos de baixa estação. Caso isso aconteça, é bom para a hotelaria porque fechamos as portas dos hoteis, porque não tinha clientes nem para entrar nem para sair”, aponta Gosson. 


O presidente do Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares do RN (SHRBS), Habib Chalita, avalia que o segmento hoteleiro não deverá ter grandes expansões de leitos em 2022 em virtude da recuperação do baque da pandemia.
“Precisamos ter uma manutenção da ocupação. Não adianta aumentar a quantidade de leitos se não temos uma ocupação média. A consequência disso é que a média da diária vai cair, porque vamos ter mais apartamentos e leitos para uma busca inferior. Então é necessário que ocupemos, aumentemos essa procura e possamos implementar oferta maior de leitos”, 


Durante a semana, a reportagem entrou em contato com gerentes dos principais hoteis de Natal. Nenhum dos entrevistados aponta possibilidade de novos leitos este ano. Uma das perspectivas em Natal é a do Hotel Serhs, maior hotel da Via Costeira, em Natal. A TN apurou que o empreendimento pretende abrir  novosapartamentos utilizando um terreno contíguo. A direção do hotel, que pertence a um grupo catalão, disse que não iria se pronunciar sobre o assunto.


Na praia da Pipa, um dos destinos turísticos mais acessados do Brasil, o hoteleiro Wanderson Borges,  presidente da Associação dos Hoteleiros de Tibau do Sul e Pipa (Asthep), diz que também não há previsão de investimentos para 2022. Segundo o empresário, há uma concorrência “desigual” no destino.
“Não tem expansão de rede hoteleira, praticamente não existe a construção de hoteis. O que a gente vê são flats, apartamentos, casas, utilizando de plataformas digitais, alugando por um dia, dois, fazendo concorrência a rede hoteleira. O que temos é essa explosão imobiliária, na qual esses lugares não são legalizados, não geram empregos de carteira, não pagam tributos”, cita. 


O gerente de hotel Pablo Tenório, que administra um empreendimento com 161 leitos, comenta que também não há perspectivas de expansão  e já afirma que o setor não irá se recuperar em 2022. “Estamos com boas esperanças, mas muito receosos, preocupados não só para Natal, mas para o Brasil inteiro. Natal é uma cidade de lazer e o público de negócios é menor, de julho para dezembro foi uma onda anormal que tivemos em Natal. O que preocupa é que essa demanda reprimida que houve, que era de 2020, até quando vai durar. Janeiro já não estamos com ocupação tão boa quanto 2019. A gripe já se mostra um potencial de cancelamento de reservas”, cita.


Neste ano, o Hard Rock Hotel continua a abertura de hotéis da marca pelo País. Segundo o cronograma da empresa, todas as propriedades devem ser concluídas nos próximos oito anos. Três projetos já estão em construção: São Paulo, Fortaleza e a primeira fase da Ilha de Sol, prevista para 2022. Recife e Natal devem ser entregues em 2024 e Foz de Iguaçu em 2025. Já os novos hotéis em Campos do Jordão e Jericoacoara ficam para 2027 e 2028, respectivamente.


Natal é 4º destino turístico mais procurado para janeiro

A cidade de Natal foi listada como o quarto destino turístico mais procurado para as férias de janeiro de 2022. A informação é do site Decolar.com, que divulgou um ranking com os destinos nacionais mais desejados para o primeiro mês do ano.


A lista tem como base as buscas por hospedagens nos canais de vendas. Natal só ficou atrás de Rio de Janeiro, Florianópolis e São Paulo. Após a capital potiguar, aparecem Porto de Galinhas-PE, Maceió-AL, Porto Seguro-BA, Balneário Camboriú-SC, Fortaleza-CE e Salvador-BA.


Interlocutores do trade turístico do Rio Grande do Norte apontam que o turismo doméstico está em alta no País, em virtude da alta de moedas como Dólar e Euro, o que favorece o trânsito turístico dentro do País.


“Tivemos uma demanda forte do turismo doméstico, não temos estrangeiros em Pipa, por conta dos voos e do coronavírus. O dólar e o euro favorece os estrangeiros. E a imagem do Brasil lá fora não está muito boa. O turista local veio bastante. Nordeste é certeza de sol e praias belas. Se tivéssemos meia dúzia de companhias aéreas, estaríamos num patamar melhor”, aponta o hoteleiro Wanderson Borges,  presidente da Associação dos Hoteleiros de Tibau do Sul e Pipa (Asthep).


A secretária de Turismo do Rio Grande do Norte, Aninha Costa, disse que “é perceptível a procura cada vez maior por nossos meios de hospedagem”.


“Tivemos,  durante as festas de fim de ano, a maioria dos nossos destinos com ocupação superior a 90%. A expectativa é que ocupação continue alta durante o verão, sejam nos meios  tradicionais  como hotéis, flats e pousadas ou nos meios alternativos, caso daqueles turistas que usam plataformas como o Airbnb”, citou.


Além disso, o Governo do Rio Grande do Norte prorrogou, até dezembro de 2022, a redução do ICMS da energia elétrica consumida pelo setor de hotelaria. A redução foi concedida em 2020 diante da grave crise imposta pela pandemia da Covid-19. 


“Nosso Governo tem planejamento e organização, transparência e responsabilidade. Atendemos pleito do setor que é um dos mais atingidos pela pandemia. Tomamos esta medida já no primeiro momento, ano passado. Agora renovamos por mais um ano como forma de apoiar a recuperação do setor e para manter e ampliar empregos”, afirmou a governadora Fátima Bezerra.


Segundo o Governo do Estado, o benefício ao setor hoteleiro reduz a 12% o ICMS da energia elétrica e representa renúncia de arrecadação de R$ 350 mil/mês. “Em 12 meses a renúncia é de mais de R$ 4 milhões, valor que pode ser revertido pelos empresas em investimentos para atração de visitantes”, informou o secretário de Estado da Tributação, Carlos Eduardo Xavier. 

Tribuna do Norte – Foto: Alex Régis

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *